solo

Importância do gerenciamento de resíduos industriais

Importância do gerenciamento de resíduos industriais 910 910 Ciclo Ambiental

Os resíduos industriais são atualmente considerados uma problemática ambiental, devido ao grande volume gerado, a presença de materiais perigosos ao meio ambiente e à saúde pública e à dificuldade crescente de se conseguir áreas para a sua disposição. Assim torna-se importante para a indústria conhecer a caracterização dos resíduos por ela gerados, principalmente quanto a sua periculosidade, as formas adequadas de armazenamento, transporte e disposição.

Em contraste com essa problemática ambiental atualmente a técnica de disposição no solo (aterro) não é a alternativa mais recomendada para a disposição de resíduos, principalmente em relação aos resíduos perigosos.

A medida inicial deve ser a redução máxima da geração, e depois a reciclagem. A partir daí deve-se administrar seu armazenamento, tratamento e disposição final. O tratamento processa o resíduo para reduzir o seu volume, sua mobilidade, e/ou sua toxicidade, de forma a facilitar, e tornar mais seguro a sua recuperação, armazenamento ou transporte. Os tratamentos atuais incluem processos que destroem, imobilizam ou separam resíduos.

A disposição no solo sempre é necessária em alguma extensão. Neste caso, os resíduos devem ser seguramente isolados do ambiente, em aterros localizados em áreas geologicamente favoráveis, e adequadamente projetados, operados e monitorados. Essa disposição de resíduos perigosos deve ser direcionada para a redução máxima de sua geração.

Essa disposição inadequada dos resíduos acaba acarretando a degradação do ar, da água e do solo, sendo que neste último ocorrerá sua contaminação, podendo chegar a atingir lençóis freáticos através da lixiviação diminuindo os recursos naturais disponíveis.

Preservação de Cursos D’água

Preservação de Cursos D’água 150 150 Ciclo Ambiental

Preservação de uma mata ciliarAs Áreas de Preservação Permanente são espaços ambientalmente protegidos como instrumentos de relevante interesse ambiental, integrando o desenvolvimento sustentável das atuais e futuras gerações.

Essas áreas podem ser ou não cobertas por vegetação com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, as paisagens, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico da fauna e da flora, além de proteger o solo e assegurar o bem estar das populações humanas.

Dentre as áreas protegidas por Leis encontram-se as matas ciliares que são espaços essenciais ao equilíbrio ambiental e, portanto, devem representar uma preocupação central para o desenvolvimento sustentável. A preservação e a recuperação das matas ciliares, aliadas às práticas de conservação e ao manejo do solo, garantem a proteção de um dos principais recursos naturais: a água.

Os cursos d’água são protegidos por Leis desde 1965 (Nº. 4.771) quando foi instituído o Código Florestal. A seguir apresentamos as larguras mínimas ao longe de rios, lagos e nascentes:

Situação Largura Mínima da Faixa
Cursos d’água com até 10m 30m em cada margem
Cursos d’água de 10 a 50m de largura 50m em cada margem
Cursos d’água de 50 a 200m de largura 100m em cada margem
Cursos d’água de 200 a 600m de largura 200m em cada margem
Cursos d’água com mais de 600m de largura 500m em cada margem
Lagos ou reservatórios em zona urbana 30m ao redor do espelho d’água
Lagos ou reservatórios em zona rural (com menos de 20ha) 50m ao redor do espelho d´água
Lagos ou reservatórios em Zona rural a partir de 20ha 100m ao redor do espelho d´água
Represas hidroelétricas 100m ao redor do espelho d´água
Nascentes (mesmo intermitentes) olhos d´água Raios de 50m