água

Expedição Científica na Reserva de Duas Bocas

Expedição Científica na Reserva de Duas Bocas 292 204 Ciclo Ambiental

Na primeira quinzena do mês de Março/2010, foi realizada uma expedição científica na Reserva Biológica de Duas Bocas, localizada no município de Cariacica/ES, que dentre os profissionais envolvidos, contou com a participação do MSc. Frederico Eutrópio, da acadêmica de ciências biológicas Aliny Oliveira, e das colaboradoras da CICLO AMBIENTAL, a bióloga e analista ambiental Milena Milleri Pinto, e a acadêmica de ciências biológicas Fabiana de Moura Baitella.

A expedição faz parte do Projeto de Mestrado, desenvolvido pela bióloga Milena Milleri Pinto, intitulado por “Composição de pequenos mamíferos, predação e dispersão de sementes em área de floresta nativa e em área de dominância de jaqueira na Reserva Biológica de Duas Bocas – Cariacica/ES”, que como o próprio nome diz, pretende determinar a composição faunística de pequenos mamíferos na região estudada.

A Reserva de Duas Bocas possui área aproximada de 2.900 hectares e foi criada como reserva florestal em 1965 e transformada em reserva biológica em 1991. O nome provém de dois rios que passam pela reserva, o rio Panelas e o rio Naiá-Assú.

Duas Bocas é constituída por uma extensa faixa de mata primária onde atualmente habitam espécies da fauna e da flora de grande importância na manutenção do patrimônio natural da região. A represa das Duas Bocas, localizada na reserva, foi por vários anos a principal fonte de abastecimento de água da região de Vitória. Atualmente abastece uma parte do Município de Cariacica.

Equipe de Expedição

A equipe de expedição: Milena, Frederico, Fabiana e Aliny

Espécie Observada

Espécie Observada na Reserva aranha do gênero Lasiodora

Outra Aranha

Outra Espécie de Aranha Observada na Reserva

Ouriço Preto

Ouriço Preto Observado ao Longo da Expedição

Fungos

Variedade de Fungos Observados

Flores

Algumas das Espécies Florísticas Observadas na Região

Pequenos Animais

Pequenos animais capturados pela armadilha fotográfica. A esquerda, um roedor típico da região estudada e, a direita, um tatu, passeando calmamente a procura de alimento

Importância do gerenciamento de resíduos industriais

Importância do gerenciamento de resíduos industriais 910 910 Ciclo Ambiental

Os resíduos industriais são atualmente considerados uma problemática ambiental, devido ao grande volume gerado, a presença de materiais perigosos ao meio ambiente e à saúde pública e à dificuldade crescente de se conseguir áreas para a sua disposição. Assim torna-se importante para a indústria conhecer a caracterização dos resíduos por ela gerados, principalmente quanto a sua periculosidade, as formas adequadas de armazenamento, transporte e disposição.

Em contraste com essa problemática ambiental atualmente a técnica de disposição no solo (aterro) não é a alternativa mais recomendada para a disposição de resíduos, principalmente em relação aos resíduos perigosos.

A medida inicial deve ser a redução máxima da geração, e depois a reciclagem. A partir daí deve-se administrar seu armazenamento, tratamento e disposição final. O tratamento processa o resíduo para reduzir o seu volume, sua mobilidade, e/ou sua toxicidade, de forma a facilitar, e tornar mais seguro a sua recuperação, armazenamento ou transporte. Os tratamentos atuais incluem processos que destroem, imobilizam ou separam resíduos.

A disposição no solo sempre é necessária em alguma extensão. Neste caso, os resíduos devem ser seguramente isolados do ambiente, em aterros localizados em áreas geologicamente favoráveis, e adequadamente projetados, operados e monitorados. Essa disposição de resíduos perigosos deve ser direcionada para a redução máxima de sua geração.

Essa disposição inadequada dos resíduos acaba acarretando a degradação do ar, da água e do solo, sendo que neste último ocorrerá sua contaminação, podendo chegar a atingir lençóis freáticos através da lixiviação diminuindo os recursos naturais disponíveis.

Importância da Legislação Ambiental

Importância da Legislação Ambiental 150 150 Ciclo Ambiental

desenvolvimentoExiste uma preocupação crescente em conciliar um desenvolvimento adequado das empresas com questões relacionadas ao meio ambiente, de tal forma a promover condições ambientais básicas que não agridam a comunidade e o local onde tais empreendimentos serão instalados. Assim, os esforços feitos para promover a melhoria dos níveis de poluição, seja em termos do ar, água, solo, ruído, etc. tornam-se fundamentais. Os empreendedores, cada vez mais, devem ter consciência das necessidades locais e responder às suas prioridades e preocupações.

Assim o Licenciamento Ambiental constitui-se uma ferramenta de fundamental importância, pois permite ao empreendedor identificar os efeitos ambientais do seu negócio, e de que forma esses efeitos podem ser gerenciados. Com este instrumento busca-se garantir que as medidas preventivas e de controle adotadas nos empreendimentos sejam compatíveis com o desenvolvimento sustentável.

A Legislação Ambiental Brasileira é uma das mais avançadas do mundo. No plano da Constituição Federal, existe um capítulo inteiro dedicado ao meio ambiente, com regramento moderno e inovador da direito a propriedade, condicionado por vários princípios, entre os quais se inclui a proteção ao meio ambiente.

A partir da Lei 6.938 de 1981 que criou a Política Nacional de Meio Ambiente, se passou a ter uma preocupação maior com o meio ambiente. Com a Lei 9.605 de 1998, de Crimes Ambientais criou-se sanções penais e administrativas, determinando uma nova postura em relação ao meio ambiente.

Quando as penalidades não forem atendidas pelo poluidor, o mesmo será condenado a reparar e/ou indenizar o dano causado, podendo pagar uma multa de R$50,00 a R$50.000.000,00 dentre perdas ou suspensão de alguns direitos.