Menu

Assinar Boletim

Coloque seu e-mail:

Parceiros

Escolha o assunto

Visite também

Expedição Científica na Reserva de Duas Bocas

Na primeira quinzena do mês de Março/2010, foi realizada uma expedição científica na Reserva Biológica de Duas Bocas, localizada no município de Cariacica/ES, que dentre os profissionais envolvidos, contou com a participação do MSc. Frederico Eutrópio, da acadêmica de ciências biológicas Aliny Oliveira, e das colaboradoras da CICLO AMBIENTAL, a bióloga e analista ambiental Milena Milleri Pinto, e a acadêmica de ciências biológicas Fabiana de Moura Baitella.

A expedição faz parte do Projeto de Mestrado, desenvolvido pela bióloga Milena Milleri Pinto, intitulado por “Composição de pequenos mamíferos, predação e dispersão de sementes em área de floresta nativa e em área de dominância de jaqueira na Reserva Biológica de Duas Bocas – Cariacica/ES”, que como o próprio nome diz, pretende determinar a composição faunística de pequenos mamíferos na região estudada.

A Reserva de Duas Bocas possui área aproximada de 2.900 hectares e foi criada como reserva florestal em 1965 e transformada em reserva biológica em 1991. O nome provém de dois rios que passam pela reserva, o rio Panelas e o rio Naiá-Assú.

Duas Bocas é constituída por uma extensa faixa de mata primária onde atualmente habitam espécies da fauna e da flora de grande importância na manutenção do patrimônio natural da região. A represa das Duas Bocas, localizada na reserva, foi por vários anos a principal fonte de abastecimento de água da região de Vitória. Atualmente abastece uma parte do Município de Cariacica.

Equipe de Expedição

A equipe de expedição: Milena, Frederico, Fabiana e Aliny

Espécie Observada

Espécie Observada na Reserva aranha do gênero Lasiodora

Outra Aranha

Outra Espécie de Aranha Observada na Reserva

Ouriço Preto

Ouriço Preto Observado ao Longo da Expedição

Fungos

Variedade de Fungos Observados

Flores

Algumas das Espécies Florísticas Observadas na Região

Pequenos Animais

Pequenos animais capturados pela armadilha fotográfica. A esquerda, um roedor típico da região estudada e, a direita, um tatu, passeando calmamente a procura de alimento